VDG

#2 – Vida de Graduando – Greves e Paralisações

Quem acompanha meu site desde o começo sabe que eu estudo na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a UERJ. Todo estudante de Universidade Pública sabe o que é sofrer com as greves, isto é um axioma em nossa vida.

Então você entra na graduação em 2014.2 e descobre o mundo universitário.  Bibliotecas para estudar, tem os horários das disciplinas em curso, tem o Centro Acadêmico, o Trote. Mas chega a parte que a realidade baterá e bem forte que é a desvalorização que o estado dá para a Universidade.

UERJ.jpg

Eu particularmente devo estar sofrendo um dos maiores desfalques que a UERJ sofreu em sua história, o Governo do Estado do Rio de Janeiro está falido e sua falta de dinheiro reflete no não repasse à Universidade, consequentemente ao não pagamento do salário dos Docentes e dos Técnicos Administrativos e também deixando uma dívida com as empresas terceirizadas. Então o que acaba se torna necessário e suficiente é reivindicar o direito de greve e usá-lo como arma para algo.

Estamos de greve! E agora?

Uma parte de mim se posiciona sempre contra, pois todos nós temos uma fração de  egoísmo.  Essa parte é a que fala “eu quero me formar!”, porém existe uma outra voz que nos fala “isto está acontecendo, pois é necessário, ninguém pode trabalhar sem receber”. São sentimentos e tentativas racionais de ponderar sobre os problemas. É tristeza e frustração misturadas, é raiva ao ver sua energia e esforço depositados num rumo abalado pela ineficiência do Estado.  É o questionamento sobre o quanto você quer se formar necessariamente neste curso e nesta instituição.  Está preso numa conjectura e neste meio tempo em que a greve está instaurada parece que você, nem ninguém saberá resolvê-la durante 300 anos. Você procura estágios e neste meio tempo tenta se ocupar,  sua vida de certa forma está parada, pois você direcionou toda sua dedicação a sua graduação.

Mas lembremos que isso tudo não é sobre mim, é sobre outros 40 mil estudantes que estão na mesma situação, é sobre outras centenas de Professores Universitários e Técnicos Administrativos que estão na luta para conseguir algo que é de direito básico, o salário. É sobre um plano de governo falido e corrupto que não atende as necessidades de construir uma sociedade com desenvolvimento de pesquisa de ponta, mas atende as construções olímpicas superfaturadas. Afinal, quem liga em desenvolver conhecimento e tecnologia, quando podemos ter estádios grandiosos e abandonados para mostrar toda nossa glória em esportes?

Por fim, não há mais o que se dizer. Apenas sentir, vai durar para me formar, vai durar para os Professores e Técnicos Administrativos terem seus salários e vai durar para existir um país que dê o valor que a Pesquisa e Ensino merecem.

 

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s